domingo, 20 de julho de 2014

Parada automobilística felgueirense, do “São Cristóvão” padroeiro dos motoristas


Numa das antigas tradições que se vão mantendo, realizou-se neste domingo mediano de Julho mais uma festa concelhia do S. Cristóvão, como popular e resumidamente é chamada a agregação festiva dedicada ao patrono dos motoristas, em terras de Felgueiras. 


Realização esta normalmente chamada também de cortejo automóvel, gincana, desfile, mas bastando dizer-se "o S. Cristóvão" para logo haver associação geral.

Como de costume, juntando grande número de automobilistas aderentes nos mais diversos meios de transporte, saiu assim então o habitual cortejo automóvel com o andor de S. Cristóvão, desde a sede do concelho até a um dos extremos de Felgueiras, percorrendo o itinerário desde a cidade de Felgueiras até à igreja-capela de S. Cristóvão de Lordelo, onde teve lugar a tradicional missa solene com sermão apropriado, dando-se depois o retorno em cortejo também, ao som estridente de sirenes e buzinas, em direção ao monte de Santa Quitéria para o sempre apreciado repasto de convívio.


Desta ancestral e sempre renovada festividade móvel que todos os anos passa na Longra em ambos os percursos, registamos alguns instantâneos, neste espaço de anotação e análise escrita, mas também  louvor memorial ao que une os bons ideais telúricos.

Armando Pinto


((( CLICAR sobre as imagens, para ampliar )))

Um instantâneo caleidoscópico… referente à Longra


Num destes dias, perante o estado a que chegou o parque de lazer da Longra, sito entre o antigo lugar das Cortes-Novas e os campos da zona da Misarela, por trás da zona industrial / Metalúrgica da Longra, espaço amplo esse em tempos começado a ser edificado pela última gerência da ex-Junta de Freguesia de Rande  caso vindo a terreiro agora, obviamente, por a atual gestão da chamada união de freguesias não se voltar para esses lados   foram publicadas diversas imagens captadas a dar uma visão de tal realidade, numa página do facebook com ligações informáticas à vila da Longra.

Para fixação dessa situação, possivelmente temporária, registamos o facto para memória futura, dum enquadramento no tempo do que entretanto foi e não foi feito e se está a deteriorar, mas também de possível visão comparativa com o que ainda pode vir a alterar-se.


Entretanto, fica para a história recente esse post, com seu quê de caricato. Colocando-se a imagem que mais comentários mereceu, de diversos setores.


A.P.