sexta-feira, 16 de fevereiro de 2018

Crónica à passagem do carnaval – na página habitual de opinião do Semanário de Felgueiras


Carnaval da vida…

Numa folha de papel azulado, de linhas e marginado, como era uso antigo na escola de tempos passados, desenhávamos uma “careta”, ao género de máscara singela em traços simples, para prova escolar de desenho. Dum pedaço de papel de cartucho, rasgado e aberto duma qualquer encomenda de mercearia, nesses tempos, fazia-se depois o reforço à careta que serviria para correr o entrudo, à maneira improvisada, entre feições de arremedos mascarados. E era assim, antigamente, que se andava, na ocasião, a dar uma forma diferente ao dia.

Ora, entrudo na prática era o “careta”, que disfarçado corria o Entrudo. Vindo o nome afinal do boneco, assim chamado, feito para ao final do dia ser queimado na tradicional fogueira de extinguir o que era velho e depois com a entrada da Quaresma houvesse reabilitação da vida. Em termos mais intelectuais, pois na realidade era tudo a brincar e tudo servia para as brincadeiras próprias do dia. Vindo essas e outras tradições associadas a antiga celebração desde tempos remotos acontecida nos primeiros dias antes da Quaresma, resultando na evolução dos tempos no Carnaval. Festa por assim dizer de despedida temporária de se poder comer carne à vontade, sendo que tradicionalmente o povo era então maioritariamente católico, apegado aos costumes religiosos, e assim respeitava então os chamados dias de jejum e as sextas-feiras de abstinência. Motivando que no carnaval, como tal, havia maior fartura de carne nas mesas, derivando daí ser associado também ao dia o tradicional cozido à portuguesa, de carnes variadas e iguarias de fumeiro, o que dá um bom sabor gordo ao almoço próprio. Até mais tarde ter havido alguma modernização exterior, aparecendo os desfiles alegóricos, nesta zona normalmente resultantes de outros cortejos dos costumes populares de antanho.

Entretanto, estamos presentemente nos modos e feitios que se vêm, do que ainda perdura. O tempo passou e vai passando. Todos queríamos crescer depressa, como todos nós em crianças ansiávamos ficar grandes, mas depois verificamos que se vê a dimensão de tudo de outro modo, pelos olhos do pensamento, com o passar do tempo. E como um desfile em que os folgazões e intervenientes nesses cortejos se mascaram e disfarçam, também na vida algo é assim, de certo modo.

Escreveu um escritor famoso que “estar vivo é o contrário de estar morto”, verdade que todos bem sabemos embora podendo nem pensar muito nisso. Como afinal, mesmo a propósito de ter passado o carnaval ainda há dias, vemos passar a realidade também diante dos olhos e demais sentidos. E então é um fartar de desejos revivalistas de bons tempos. Como se pudéssemos abraçar a vida que nos continua a povoar sonhos.

ARMANDO PINTO
((( Clicar sobre as imagens, para ampliar )))

terça-feira, 13 de fevereiro de 2018

Corso do Carnaval da Longra / 2018


Mais uma edição do Carnaval da Longra teve tarde de folia com o tradicional Corso na rua, desta vez em tarde de chuva, contando como sempre com a asssitência de gente interessada - como se regista em imagens, através de instantâneos dum dos pontos de passagem, dentro da vila da Longra.


Do mesmo Corso do Carnaval da Longra / 2018, como amostra da afluência de público, juntam-se mais algumas imagens (enviadas por pessoas amigas, para este efeito, de modo a fixar vistas de outros pontos de passagem), a diversificar ângulos de visão. Vendo-se assim o aglomerado de povo que acorreu, apesar do mau tempo, dando ambiente de boa assistência, em locais de maior confluência e alguns sítios tanbém mais propícios de proteção urbana, sobretudo onde os assistentes estavam mais abrigados da intempérie. 


Armando Pinto
((( Clicar sobre as imagens, para ampliar )))

sábado, 10 de fevereiro de 2018

Carnaval das Escolas em Felgueiras – Corso Infanto-Juvenil da sexta-feira de aproximação ao Entrudo


À chegada das férias de Carnaval para as crianças e jovens das escolas do ensino pré-escolar, básico e preparatório, decorreu na tarde de sexta-feira o habitual desfile de Carnaval de crianças e jovens dos respetivos escalões de grupos do ensino oficial. Tendo então saído à rua, na sede do concelho, tal Corso com entusiasmo jovem, dando forte colorido e sobretudo grande animação ao centro da sede concelhia, em plena tarde da sexta anterior ao carnaval.


Quando no concelho de Felgueiras nas décadas de anos mais recentes (ainda desde finais do século XX e a entrar pelo XXI dentro) o Carnaval tem tido contornos tradicionais na Longra e em Jugueiros também, é então com antecedência no dia de encerramento letivo pré-Carnaval que a cidade de Felgueiras revive os folguedos carnavalescos. Sendo que no dia de Carnaval tem havido na vila da Longra o mais atraente desfile alegórico, organizado oficialmente desde 1997, enquanto em Jugueiros se vem realizando interessante desfile de cariz popular, dando todos um timbre das realizações que vão atraindo gente a contento.


Do cortejo da tarde de entrada ao fim de semana gordo, da quadra carnavalesca, o Corso infanto-juvenil felgueirense, se dá então aqui conta, através de imagens de amostra do muito que foi o mar de gente de todas as idades e feitios na cidade sede do concelho de Felgueiras.


Armando Pinto
((( Clicar sobre as imagens, para ampliar )))